Página principal

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Bem-vindos à Desciclopédia

A enciclopédia livre de conteúdo que qualquer um pode editar.

55 261 artigos · 192 206 imagens

Ajuda

Embaixada

Perguntas

Políticas

Mídia

Contribuir

Artigo em destaque
Raul Seixas aparece na foto junto com a banda como parte do acordo com o demônio

Pink Floyd é uma banda que toca o chamado Rock Progressivo. Apesar disso eles estão mais mesmo é pra Pop vide que já venderam 798 bilhões de cópias de todos os seus álbuns em todo o universo.

No final da década de 60, os Pink Floyds fizeram um pacto com o Demônio para serem muito ricos e famosos, como o Rogério Águas disse no documentário do Dark Side of the Moon. E assim ocorreu, porém o Satã limitou a banda para apenas 14.864 palavras no total (por isso que a banda terminou em 1994, já teria se esgotado a quantidade de palavras). Depois de muita conversa e uma decisão judicial, a banda pôde utilizar a vontade as palavras "Sun" (Sol) e "Moon" (Lua). Isso explica o excesso dessas palavras nas músicas, é só perceber...

O começo do Pink Floyd foi ótimo! Eles ficavam bem loucos de ácido ou maconha, cocaína, morfina ou qualquer outra droga que existia, pegavam os instrumentos e tentavam fazer barulho. Era muito promissor! Primeiramente eles lançaram um álbum chamado "The Piper at the Gates of Dawn" (Tradução: "O puteiro fica aberto até o amanhecer") e nesta época ainda estava na banda o chamado "Crazy Diamond": O senhor Cidão Barreto. No Disco, havia uma música chamada "Capeta Samuel", que era uma homenagem ao gatinho que Cidão adorava cheirar.



Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Twitter Share on Google+



Eventos recentes


Neste dia...


Sabia que...


Imagem do dia
 
Apresentação
Batata desciclo sem texto.gif
Bem-vindo(a) à Desciclopédia, uma (des)enciclopédia escrita com a colaboração de seus leitores. A Desciclopédia é um site de humor debochado e seu conteúdo não deve ser levado a sério. Todas as nossas regras e políticas convergem para um só princípio: ser engraçado e não apenas idiota. É um princípio amoral, mas que implica numa ética subjacente. Significa que, no âmbito da Desciclopédia, só podem ter procedência as críticas que se refiram à qualidade divertida de um artigo. Não tem, portanto, nenhum sentido tentar defender os méritos morais ou artísticos de algo que você gosta (banda, filme, personalidade, programa, game, etc.) e que tenha sido sacaneado num artigo da Desciclopédia. Essas coisas não interessam nem um honorável pouquinho aqui.


Participação

Todos podem publicar conteúdo on-line desde que não sejam vândalos ou desrespeitem as regras.

Dentre as diversas páginas de ajuda à sua disposição, estão as que explicam como criar um artigo, editar um artigo ou inserir uma imagem. Em caso de dúvidas, não hesite em perguntar e dar sua apnião.


Comunidade
A comunidade vem crescendo dia após dia. Porém precisamos de mais colaboradores para podermos ampliar o número de artigos em língua portuguesa e expandir, melhorar e consolidar os que já existem.


Projetos irmãos

A Desciclopédia existe graças à entidade sem fins lucrativos Fundação Desciclomídia. A Desciclomídia opera vários projetos em diversas línguas, sempre com conteúdo livre: