Luiz Gonzaga

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Essi artigo é cabra macho!

Aqui si fala com sutaque nordestino, si toma cachaça, si come rapadura e se podi ti furar com pexêra si tu pensá em futucá ele, visse?

Note: não se avexe em por mais coisa nessa muléstia.

Nordeste.jpg
Jackson do Pandeiro and Luiz Gonzaga.jpg Esse artigo é sobre um forrozêro
Luiz Gonzaga nasceu tocando sanfona, provavelmente
comeu um jegue quando era mais novo
e adora um cuzcuz com leite.
Garotasafadavol7.jpg
Luiz e seu óculos vagabundo.

São Luiz Lua Gonzaga Joaquim Ferreira (Juazeiro PB, 13 de dezembro de 1912 - São Paulo SP, 25 de março de 1989), é conhecido como o Rei do Baião para os fãs, Motumbo para suas 6 esposas, filho de Januário como ele gosta de ser chamado ou para os íntimos Luiz (aumentativo Gonzagão). Foi um sanfoneiro e forrozeiro que começou sua carreira compondo e cantando em inglês. Gostava muito de compor com seu filho Jackson do Pandeiro que ao seu lado compôs 89 músicas, dessas, 9 foram de valsas em argentino, também compôs e cantou por um longo tempo com Dominguinhos seu primo distante. Sendo da época em que o forró era bom, não essas merda de Wesley Safadão e ah, sei lá!.

Biografia[editar]

Infância e juventude[editar]

Luiz quando era cangaceiro.

Ele nasceu em 1912 na cozinha da casa (já que o hospital mais próximo era a 145 km), e por uma complicação na hora do parto, ele nasceu com o rosto em formato assemelhado a de uma lua, depois de seus 7 irmãos Dido, Zeca, Chiquinha, Aluizio, Zé, Inês, Geni aparece Luiz estragando a linhagem de nomes escrotos criativos, na realidade ele deveria se chamar Januário em homenagem a seu pai que resolveu ficar sóbrio para finalmente pensar em nome que preste a um de seus filhos.

Luiz Gonzaga desde criança ajudava seu pai na reforma de sanfonas, e quando não estava ajudando no conserto de sanfonas ele trabalhava na roça, em seus tempos vagos depois da escola ele escrevia alguns esboços de músicas sobre como era difícil o trabalho no campo e claro não vamos se esquecer de citar aqui também que ele escrevia também poesias de como havia pego a sua lista enorme de amantes.

Depois de muitos amores rápidos Gonzaga com 16 anos resolve se casar com sua namorada Jivanilda, o único problema era o pai da moça um tenente que impediu que sua adorada filha se casa-se com um pretendente tão desleixado quanto era Luiz, que então pega uma peixeira tentar atacar o tenente ali presente, mas é facilmente detido pelo pai da pretendente, Luiz não vê outra opção a não ser fugir com Jivanilda para sertão brasileiro. Onde lá se encontrou com um grupo de cangaceiros que o aceitaram no bando, pelo seu talento em cantar, foi de certo ponto o primeiro the voice cangaço edition e ele ganhou!

Tornando-se um cangaceiro[editar]

A nova formação de Luiz (o anão era o algo a mais da banda).

Luiz Gonzaga entra na vida de cangaceiro ao lado de sua companheira Jivanilda (e isso tudo com 17 anos), sua trupe era a mais animada do cangaço e de certo ponto a menos assassina já que a maioria ali presente era de cagões. Aos 18 anos já havia saqueado 19 cidades do sertão nordestino dessas 19 cidades se apresentou em 17, o público ficou satisfeito em duas cidades (adivinha quais foram), uma dessas cidades conheceu: João Grilo e Chicó nas regiões de Cabaceiras, PB e os três juntos compuseram a música "Não sei, só sei que foi assim". Enquanto isso seu casamento com Jivanilda estava praticamente acabado, pelo fator chave de Luiz ser tão macho que já havia deixado a cabeça de Jivanilda enfeitada faz tempo, e algumas dessas vezes com a esposa de Reginaldo Rossi.

Mas tudo isso acabou quando eles foram atacar uma cidade importante, Luiz e sua trupe foi cercada pelo exército local, que foi entregue pelo membro dos cangaceiros conhecido como "Judas" traiu seu grupo por algumas moedas de prata, matando Jivanilda, a partir daí ele iniciou sua jornada para o Rio de Janeiro, querendo assim iniciar sua carreira musical e claro agora com um sorriso no rosto já que não tinha mais aquela gorda com um nome escroto a tira-colo.

Carreira musical[editar]

Luiz tocando sua clássica sanfona em um show ao ar livre.

Ele partiu ao Rio de Janeiro para iniciar sua carreira artística e musical, o seu inicio não foi lá muito bom, ele inicialmente começou a cantar em bares músicas tanto em russo quanto em inglês, mas ninguém tava gostando daquela merda. Enquanto isso ele se viu envolvido em um amor com uma mulher gravida que estava prestes a ter um filho dado o nome de Gonzaguinha e com a mesma mulher Luiz teve seu filho Jackson do Pandeiro.

Todos do Rio começaram a ter ódio por Luiz e chegaram a quase bater nele, foi ai que ele disse que tocava outra coisa, nisso puxa seu fole e começa a bater o pé e mexer o braço tocando um forró cheio de dedo todos ali começam a sentir pena dele achando que estava tendo um surto autista, mas eis que do nada aquele ritmo contagia a galera quase que ao estilo ragatanga e então o pessoal começa a dançar um pé de serra e esquece o que estam fazendo e puxam um parceiro pra dança, a partir dai Luiz fez outros shows, infelizmente sua música não agrada a todos, como sua mulher, que havia cometido suicídio.

Ele viu a necessidade de uma assistente para organizar as cartas dos fãs e dos rockeiros que queriam acabar com aquela traição do movimento punk, veio!. Já que Luiz não perde tempo se casou também com sua assistente, e formou um grupo que era composto por um bebado no triângulo, um bebado no tamborzão (ou seja la como se chama a bateria do negócio) e Luiz assumindo o fole e os vocais.

Depois de um show tumultuado Luiz resolve parar de tocar com bêbado e troca toda sua formação enquanto abastece o carro, por um anão no triângulo e um negão na batera, tudo o que parece a nova formação "deu certo" e se manteve até Luiz se separar do grupo e se juntar com seu primo Domiguinhos a parceria deu tão certo que a primeira composição juntos foi A, e, i, o, u, ispiloni perceptível o grau das músicas. Nesse meio tempo ele havia (como sempre) conquistado mais outra com suas canções no meio do show e então ficou assim com duas esposas ao mesmo tempo, levando uma vida dupla, e seus filhos estavam tomando maturidade Gonzaguinha virando um comunista e Jackson do Pandeiro virando um pagodeiro, não atoa Luiz dava constantemente uma surra em ambos.

Consagração e morte[editar]

Foto rara de Luiz já no fim da carreira tocando com Karl Marx, Simone de Beauvoir e Putin no inferno em algum boteco russo em troca de umas moedas.

Depois de vários acidentes de carros "inexplicáveis" ele se separa das duas esposas. Viaja pra Russia (já que aqui mais ninguém gostava dele) compõe umas musicas com nada mais nada menos que Karl Marx e devido ao inverno russo adquire tuberculose. Ele então retorna ao Brasil para se tratar. No hospital se casa com a enfermeira e sem perder tempo quando recebe alta se casa com Regina Casé seu verdadeiro amor (depois de 5 verdadeiros amores) que fica com ele, até finalmente bota a bunda no solo para virar encosto de bicicleta.

Amigos[editar]

  • Dominguinhos: Seu primo o qual junto com Luiz compôs 42 músicas uma delas fazendo a alfabetização de seus ouvintes "A, e, i, o, u, ispiloni".
  • Quinho: Luiz o conheceu numa festa a qual Quinho se meteu em uma baita confusão (mesmo ele sendo gente boa) estavam prestes a furar Quinho, nisso ele compõe a música "No fure quinho não".
Luiz cantando ao lado de seu filho Jackson do Pandeiro. Quinho ao fundo ou seria Belchior sem bigode?
  • Jackson do Pandeiro: Aqui já citado como filho e amigo de Luiz os dois juntos compuseram 89 músicas dessas, 9 foram valsas em russo.
  • Gonzaguinha: Filho e quase amigo do pai na verdade eles já brigaram uma vez, mas Gonzaguinha estava na barriga da mãe e Luiz tentando abortar com murros, não foi lá muito justo.
  • Maria Bethania: Quase esposa, só não foi por ter outras opções sexuais.
  • Gal Costa: Idem.
  • Alceu Valença: Um amigo nem tão amigo, mas se tornaram assim que ele conseguiu dar um trato na Elba Ramalho, o que lhe deu bastante credibilidade. Compôs a lado de Luiz a música "Minha mãe queria um doutor".
  • Belchior: Muito parecido com Freddie Mercury compôs ao lado de Luiz 30 músicas.
  • Chicó e João Grilo: Luiz conheceu os dois na época em que era cangaceiro aprendeu muito com João Grilo e os 3 juntos compuseram a música "Não sei, só sei que foi assim"
  • Fagner: Um "amigo" já que era meio que um Paulo Coelho na vida de Luiz.

Esposas[editar]

Luiz com sua última esposa, Regina Casé.
  1. Jivanilda: Foi a primeira e mais traída esposa de Luiz. No começo tudo era um buquê de flores, mas Jivanilda foi engordando e morreu com um tiro da policia, deixando Luiz muito feliz.
  2. Roberta: Essa já estava grávida quando Luiz "a resgatou" a criança se chamou Gonzaguinha com a mesma esposa Luiz teve seu filho Jackson do Pandeiro. Ela cometeu suicídio.
  3. Jomara: Sua assistente, chegou no momento em que Luiz estava fazendo sucesso e acabou assim pegando a parte boa do negócio. (Já que mulher gosta de dinheiro mesmo)
  4. Mulher que como varias ele conquistou no show: Com essa ele viveu uma vida dupla, era casado ao mesmo tempo com Jomara e ela.
  5. Enfermeira Joy: Quando Luiz estava doente a enfermeira que cuidou dele se transformou em sua esposa, o casamento ocorreu dentro do hospital.
  6. Regina Casé: Foi o verdadeiro amor de Luiz (depois de 5 amores verdadeiros) pegou a pior fase de Luiz em que ele já estava velho e pobre, mas a herança não era ruim não.

Sucessos[editar]

Gonzaga ao lado de seu primeiro "filho". (Os dois se bateram depois da foto)
  • Asa Branca: A mais conhecida desse puto e nem foi ele que escreveu, parabéns Luiz Gonzaga! Mas uma coisa é verdade, sem sombra de dúvida Luiz Gonzaga só fez sucesso por causa dessa música, antes era uma decepção como músico e ser-humano (Não que tenha mudado algo. Mas diminuiu um pouco).
  • Numa sala de reboco: Essa musica tem alguma coisa satânica incorporada em sua essência, não é possível! Pois não importa onde você esteja, começa a dançar feito um autista do caralho. Tem relatos de pessoas que com 5 anos de coma, só acordaram quando tocou essa música, a maioria para desligar o som e o resto para se matar. A canção fala sobre um cara que dançava com uma mulher em uma sala de reboco (uma salva de palmas para essa mega poesia complexa).
  • No meu pé de serra: Essa música deveria primeiramente se chamar de "Lá no cu da serra", mas eles mudaram para "No meu pé de serra" que é menos ofensivo, mas sem sentido, pois se a serra tivesse pé ia pra longe quando tocassem essa música perto dela. Essa música é tão antiga que se você buscar o áudio atualmente, o barulho (Essa é melhor definição, barulho) que saia da sanfona, mais parece um ruido de gato tomando paulada do que necessariamente uma melodia.
  • Paraíba Masculina (mulher macho sim sinhô): O maior expoente de feminismo, pensa ae: Simone de Beauvoir? haha! Apenas com essa musica Luiz dança um forró na cara dessa francesa com a xota peluda e mostra a verdadeira força da mulher brasileira. Realmente o Luiz Gonzaga é um gênio! [carece de fontes]
Protótipo feito no computador da sanfona que o pai de Luiz montou pra tocar a nona sinfonia de Beethoven.
  • Xote das Meninas (Ela só quer só pensa em namorar): Mais uma vez Luiz mostrando que era um homem atrás de seu tempo, haja vista que ele volta a falar sobre feminismo. Aqui ele já fala a respeito da liberdade sexual das mulheres e que as vezes é isso, a moça no caso só pensa em "namorar". O que originou uma regravação no final de 2014 pelo músico e compositor MC Timbu, conhecida como: "Ela senta na pica branca, ela senta na pica preta".
  • Pagode Russo: Aqui já no final de vida ele começa a delirar sobre tocar um pagode na Rússia ou seja lá o que diabos, esse bêbado velho falava. Curiosidade que sua bola ficava saindo de sua cueca samba-canção, tal fato ele dedicou o seguinte trecho "Entra cossaco, na dança do cossaco não fica cossaco fora".
  • Respeita Januário: Conta a historia do reencontro de Luiz com seu pai Januário. Ao chegar na casa de seus pais, depois de 16 anos sem manter contato nenhum, ele então vai de encontro ao pai, que lhe diz, "Seu corno! Isso é hora de chegar em casa". Na manhã seguinte teve toda uma festa e Gonzaga se achando o maior forrozeiro do mundo ou coisa do tipo com sua sanfona branca de última geração, quando eis que Januário cata duas latas de leite moça do lixo e um papel amassado em forma de leque do chão, arruma tudo em forma de uma sanfona e toca a nona sinfonia de Beethoven. Eis que um Velho deitado grita de longe, "Luiz vai toma no cu respeita Januário.

Prêmios[editar]

  • Melhor roupa de couro imitando o sertão usada por um cantor
  • Melhor homem estéril que fingiu bem não ser
  • Melhor filho de Januário.
  • Pessoa com cara de lua mais famosa do Brasil (tirando a própria lua)
  • O único que consegue fazer o forró ficar bom.
  • O segundo cantor com mais esposas, em primeiro Fábio Júnior que casou 7 vezes. Obs: Mr. Catra não incluso, pois prostituição não conta como casamento.

Ver também[editar]

Donamorte1.jpg Luiz Gonzaga já morreu!

E deixou um monte de dívidas pra família pagar!

Clique aqui pra ver quem te espera no inferno

Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Luiz Gonzaga no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg