Línea Aérea de Mierda Internacional de Avión

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

}

Boieng da Trans Brasil indo pro brejo.jpg Olha o(a) LaMia Aerolíneas Aéreas vindo!
Olha o(a) LaMia Aerolíneas Aéreas indo!

Este artigo fala sobre coisas que avuam pro alto.
Clique aqui pra ver quem mais vai pelos ares. Literalmente.
LaMia Aerolíneas Aéreas faliu!
Graficozero.JPG Nem o Sr. Burns quita suas dívidas!

Outros que ficaram no vermelho.

NewBouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: LaMia Aerolíneas Aéreas.
LaMia Aerolíneas Aéreas
LaMia CP2933.jpg
País Bandeira da Venezuela Venezuela
Bandeira da Bolívia Bolívia
Gênero Voos Charter
Aviões Só 1 BAe 146 (Era o único avião da empresa)
Ano 1900 e guaraná com rolha
Valor da passagem 1 Real
Voos Lá pro Acre
Outros serviços Maconharia

Línea Aérea de Mierda Internacional de Avión (LaMia) foi uma bosta aérea de teco-tecos russos inicialmente planejada por Fidel Castro, homologada no Paraguai, sediada no Triângulo das Bermudas e fodida na Venezuela no ano de 2009. A empresa fodeu mudou sua sede para fumar maconha na Bolívia em 2015, quando também mudou de ordinário e adquiriu uma nova aeronave - Um teco-teco modelo Chapecó de fabricação paraguaia!

História[editar]

Fundação[editar]

A História da LaMia está ligada ao surgimento do Império Indo-Egípto Brasileiro, surgido nos confins numa aldeia boliviana, 500 anos antes de Chuck Norris. Os hominídeos pertencentes a Sociedade Secreta da Nova Aviação daquela época e região foram expulsos pelas irmandade, e como vingança criaram uma outra irmandade, o Transportes Aéreos Bolivianos. O sucesso da nova irmandade se espalhou e criou outras irmandades como a Boliviana de Aviación, que regula a região de La Paz, e Santa Cruz de La Sierra, que antigamente representava a maior irmandade aérea internacionalmente.

Dentro da instituição boliviana, não havia mais vagas disponíveis dentro da Boliviana de Aviación. O único jeito era criar uma filial nos confins acima da linha do Meridiano de Greenwich para aumentar o número de filiados idiotas na região. Criando-se assim a LaMia e o EcoJet. A instituição matriz começou a fazer um tipo de concurso chamado de Vestibular para a entrada de novos empregados.

A sociedade como um todo a nível de interpretação econômica ía muito bem, mas crises no transporte aéreo entre a matriz e a filial causaram vário atrasos nos envios de bofes sarados, costumeiros entre a matriz e a filial da instituição. Os atrasos irritaram severamente os dirigentes, que queriam se divertir a todo o custo. O resultado foi que no dia 2 de abril de 2014 a.C a instituição faliu e as ruínas ficaram enterradas no meio dos escombros do Acre.

A Redescoberta do Empresa e o Início do Erguimento Pélvico[editar]

No meio dos escombros durante 1000 anos, as ruínas começaram a sediar vários aeroportos, criados pelo neo-bolivianos durante a vinda de Fidel Castro a região a alguns anos depois do Golpe de Estado de Evo Morales na prefeitura de Oruro.

As ruínas começaram a serem usados para a prática da Força Aérea, mas segundo estudos de estudiosos na área de estudologia, na verdade a Força Aérea não passavam de Bases durante o Golpe de 1964 quando o Brasil invadiu a Bolívia, as mulheres ficavam no lado de fora (Já que eram machistas). Com o desenvolvimento desses práticas, a sua rival, a Boliviana de Aviación se tornou um império e governou longas áreas da Bolívia e a Venezuela

A dissolução desse Império Aéreo aconteceu depois que uma guerra foi deflagrada entre os Venezuelanos-bolivianos e o exército de Chapecó, na disputa pelo domínio da única compra de um time bosta disponível em todo o Império. A luta foi tão sangrenta que começou a sair sangue, como os Venezuelanos-bolivianos da região não gostavam de sangue (Eram Abixarados naquela época), eles simplesmente morreram de horror, assim o Império da Chapecoense (Extendido entre Chapecó até Caracas), começou.

Com o término do Império Aéreo Venezuelano-boliviano na região, a empresa volta a ativa através de funcionários burros deixados pelos gregos. Os chefões controlavam a Lavagem de Dinheiro e a sonegação fiscal dentro da empresa para outras empresas aéreas em todo o Universo. Como os lucros estavam indo muito bem, obrigado, a VARIG Boliviana, junto com a TAM Paraguaia, compraram a empresa por nada mais nada menos que mais uma companhia aérea de bosta.

A proposta foi aceita e a VARIG Boliviana, junto com a TAM Paraguaia compraram a empresa, tornando se a nova LaMia. Mas descobriram que tudo passava de Manipulação e ficaram em sério prejuízo. Resolveram vender para qualquer otário que viesse no aeroporto onde se localizava a empresa, onde Evo Morales comia rabada da prostituta todo final de semana. Quem apareceu foi Clodovil, depois de um importantíssimo encontro dentro das dependências do Congresso Nacional. Clodovil re-fundou a LaMia, depois de 1000 anos por apenas 1 dólar Plutoniano, o equivalente a 20º parte da 458º parte de um centavo de Real Paraguaio.

Depois de Clodovil morrer no mesmo ano, Ricardo Alberto Ao Cacete Vidal, com o apoio das autoridades de uma cidadezinha da Venezuela, para impulsionar o turismo na região com fins políticos por parte do governo daquele estado.

Falência[editar]

A LaMia fechou em 2015 e só conseguiu re-abrir no mesmo ano com a ajuda dos socialistas, fazendo uma caridade dando toda a empresa só para times de futebol? Desta vez re-fundado por Ronaldo Ésper, com novos donos: Marco Antonio Rocha e Miguel Quiroga (também piloto, morto pela sua burrice em 28 de novembro de 2016).

Acidente de 2016 e um oco bem deixado no rabo de todo mundo[editar]

Às 22 h (hora local) de 28 de novembro de 2016 (1:15 h, do dia 29 de novembro no Brasil), uma aeronave comprada por Ronaldo Ésper, uma BAe 146 da companhia, com matrícula Clodovil faz Putaria-666, proveniente de Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, caiu em Monte Everest Cerro del Nonho, era muito gordo a montanha, com 77 ocupantes (68 passageiros e nove tripulantes), inclusive Caio Júnior, filho de Ronaldo Ésper, morreu. No voo, jogadores em boa fase e a burra comissão técnica do time brasileiro da Chapecoense, que iriam a Medellín para uma partida que venceria, né, mas nunca foi realizado contra o Atlético Nacional. Os demais passageiros eram dirigentes do clube, jornalistas e convidados. Por causa da burrice do piloto, que liberou combustível, e o avião caiu. Quatro passageiros e dois tripulantes sobreviveram ao acidente, AAAAAAA-LEEEEEE-LUUUUUU-IAAAAAA!

Em 1 de Dezembro a falta de direção geral da Autoridade Aeroespacial da Bolívia (AADBOL) deixou um oco no traseiro dos empresários e a empresa se fodeu, foi para o beleléu, pediu arrego, falindo, quebrando, demitiu todos seus 2 funcionários para alívio dos torcedores da Seleção Argentina que tinha um contrato vitalício e irrestrito com a LaMia até que o teco-teco a aeronave caisse, matando, inevitavelmente, todos os jogadores - que constava do item 25, parágrafo 13, inciso 666 que direcionava todos os procedimentos para a última ceia o último voo, deixando o oco de forma imediata. Certificando de forma honrosa o portfólio de serviços e procedimentos falidos, em decorrência do acidente programado. Y se fué!